It's All for L.O.V.E.

Quem Nos Visita?


Visitor Map

sexta-feira, 22 de março de 2013

Ex-médico de Michael Jackson é processado por assédio sexual

O ex-médico de Michael Jackson, Dr. Allan Metzger está sendo processado por uma de suas pacientes que alega ter molestada sexualmente durante um exame Dr. Allan Metzger, que testemunhou no julgamento de homicídio culposo a morte do Rei do Pop contra o médico Conrad Murray, é acusado de apalpar os seios de uma paciente durante um check-up feito no ano passado. No processo aberto no condado de Los Angeles County Superior Court, Victoria Oliver afirma que ele descreveu seu corpo durante o exame como “delicioso”. Noutro momento ela afirma que Dr. Metzger colocou as mãos sob sua blusa e quando ela protestou sobre a situação, ela disse que ele respondeu dizendo: “Porque nós não fechamos a porta para ter realmente um pouco de diversão” Oliver afirma que o médico, em seguida, sorrateiramente o médico ficou por trás dela e apalpou seus seios enquanto a pressionava contra seu corpo. Oliver está processando por danos não especificados, dizendo que ela se sentiu humilhada e ainda sofre está sofrendo emocionalmente , conforme divulgado no TMZ. Dr. Metzger ainda não respondeu a um pedido de comentário. Dr. Metzger cuidava de Michael Jackson no início de sua carreira e até foi em seu casamento com a Debbie Rowe. Dr. Metzger também esteve com Michael meses antes do cantor falecer. Os advogados de defesa de Murray, que foi condenado por matar o cantor, chamaram o Dr. Metzger como testemunha no julgamento para tentar mostrar que cantor tentava obter um poderoso anestésico para uso doméstico, mas apesar de ser uma testemunha de defesa, Dr. Metzger ajudou os promotores dizendo aos jurados que ele se recusou diante do pedido de Michael e avisou dos riscos. Durante o julgamento, em outubro de 2011, Dr. Metzger afirmou que havia cuidado de Michael entre 15 e 20 anos e contou como ele recusava os pedidos do cantor para administrar anestésicos hospitalares para que ele pudesse dormir. Ele contou que tinha tratado de Michael ao longo dos anos por transtornos de ansiedade e de sono. “O sono era o problema, especialmente após os ensaios. Ele não conseguia dormir”, disse Metzger durante o caso. Ele disse que Michael lhe pediu “medicamento para o sono intravenosa” em abril de 2009. “Eu acho que ele usou a palavra “Juiced”, disse ele. “Ele não acreditava que qualquer medicamento oral seria útil. Ele queria algum tipo de anestésico. “ O médico disse ao júri em Los Angeles Superior Court que nenhuma quantidade de dinheiro teria persuadido a conceder ao pedido do cantor. Murray foi condenado por homicídio culposo, por causar a morte de Michael Jackson, que tinha 50 anos , dando-lhe uma dose letal do sedativo Propofol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário