It's All for L.O.V.E.

Quem Nos Visita?


Visitor Map

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Divulgado vídeo inédito de ex-médico de Michael Jackson

Nesta segunda-feira (25), dia do terceiro aniversário da morte de Michael Jackson, foi divulgado um vídeo onde Dr. Conrad Murray, condenado pela morte do astro, fala sobre seu relacionamento com o cantor, e que não sabia sobre o seu vício em medicamentos. A gravação secreta foi feita dias depois que Michael Jackson morreu. As informações são do site TMZ. A gravação, que nunca havia sido vista pelo público anteriormente, foi feita no mesmo dia do famoso “Don’t Worry”, onde o médico diz que estava confiante sobre suas chances de absolvição. Segundo fontes próximas à Murray, os advogados decidiram não divulgar o material pois só faria mal à imagem do médico. Dessa vez, Murray aparece muito mais emotivo, e às vezes parece irritado – com lágrimas nos olhos, que parecem ir da tristeza à raiva – e diz: “Não consigo encontrar palavras suficientes para expressar minha afeição por Michael”, declarou. Então, ele começa a se lamentar. “Apesar de nosso relacionamento e conversas, agora estou ciente de que ele não conseguiu compartilhar comigo todos os seus problemas e vícios por medicamentos”, afima. O julgamento por homicídio revelou que Murray estava intimamente familiarizado com os vícios de MJ. O vídeo mostra ainda Murray mais agressivo com a afirmação. “Nenhuma mulher, nenhum homem, com exceção das crianças, que são as única inocentes, estão livres de segredos ou falhas. Antes de julgar ou condenar alguém, faça uma boa avaliação em si mesmo. Se você tiver 100% de certeza de que se for investigado não encontrarão falhas, então você ganhou o direito de criticar”, disse. Vídeo divulgado em Agosto/2009.

Michael Jackson foi o caso mais complicado de CSI da vida real

Leia a entrevista com o perito Laksmanan Sathyavagiswarn, o médico que definiu a morte do cantor Michael Jackson como assassinato. O trabalho minucioso dos peritos investigadores de crimes foi apresentado aos brasileiros na série norte-americana CSI (Crime Scene Investigation). Na vida real, Laksmanan Sathyavagiswarn faz isso há 36 anos em Los Angeles (EUA). No escritório em que chefia a perícia e o departamento de ciência forense, são procuradas as evidências sobre os 1.000 assassinatos que ocorrem na região anualmente. A abrangência geográfica do trabalho faz com que muitas celebridades do show business estejam entre estas estatísticas ou envolvidas de alguma forma com as mortes suspeitas. Ele, acostumado com o assédio da imprensa, ficou assustado em setembro de 2009, quando assumiu o caso de maior repercussão da carreira. A morte do Michael Jackson foi impressionante. Em dois dias, foram catalogadas duas mil ligações telefônicas para o meu escritório (o dobro do número de assassinatos que investiga anualmente). Na porta do prédio, as pessoas ficavam aglomeradas em busca de qualquer informação. Elas ocuparam três quarteirões ao redor do edifício, lembrou o chefe da perícia de Los Angeles, que esteve São Paulo nesta sexta-feira (22) no 1º Congresso Paulista de Medicina Legal para dividir com os peritos brasileiros a experiência do caso Michael Jackson. As evidências reunidas por Sathyavagiswarn na autópsia do cantor embasaram a decisão do júri da Suprema Corte de Los Angeles de condenar o médico de Michael Jackson, Conrad Murray, como assassino culposo (quando não há intenção de matar) do astro. Após seis semanas de julgamento, a Justiça entendeu que Murray deu uma dose fatal do sedativo propofol para ajudar o popstar a dormir. Nos EUA, diferentemente o Brasil, a perícia médica define não apenas a causa da morte (no caso de Michael Jackson overdose de medicamentos, por exemplo), mas também a circunstância (se foi homicídio, suicídio ou acidente). Nesta entrevista ao iG Saúde, Laksmanan Sathyavagiswarn explica as razões que o levaram a creditar o caso como um homicídio, as dificuldades enfrentadas na investigação e a importância que a elucidação de crimes tem para a humanidade. iG: Quais foram os principais pontos que levaram à sua conclusão de que Michael Jackson foi assassinado? Sathyavagiswarn: Nossas análises, feitas em 90 dias ? a perícia tem um prazo de ação mais longo do que a urgência da mídia, um complicador ? identificaram alguns fatores. As doses de propofol dadas foram extremamente altas e sem razão aparente. O paciente, mesmo anestesiado, foi deixado sozinho. Os anestésicos não foram monitorados como era preciso. Além disso, não havia estrutura de equipamentos suficientes para lidar com doses tão altas de medicação. iG: O caso Michael Jackson foi o mais difícil da sua carreira? Sathyavagiswarn: O caso, em si, não foi difícil, mas a repercussão foi extremamente complicada. Em dois dias, mil ligações telefônicas foram catalogadas para o meu escritório e as pessoas ficavam aglomeradas na porta esperando informações. Já trabalhávamos com um protocolo de conduta que precisou ser reforçado. Os boletins produzidos com as informações precisavam ter uma linguagem eficiente, que atendesse aos médicos, aos peritos, à comunidade e à imprensa. Também não seria possível privilegiar nenhum veículo da mídia. Qualquer informação tinha de ser universal. Além disso, era preciso cuidar da segurança do nosso escritório. Os celulares, inclusive dos funcionários, foram proibidos. Fotografias, nem pensar. Tínhamos que preservar o sigilo. Mas além de dar respostas, nossa missão era preservar a segurança e a dignidade da família de Jackson. iG: Existia receio em deixar o caso sem respostas? Mesmo definida a circunstância da morte como assassinato, existe uma espécie de alívio por parte da comunidade e da família? Sathyavagiswarn: O sofrimento dos envolvidos sempre vai fazer parte. Mas não existe nada pior para um perito do que um caso sem conclusão ou com a causa indefinida. Trabalhamos diariamente para informar as pessoas, é um compromisso com a humanidade e também com a saúde pública, porque algumas mortes (em especial as misteriosas) são provocadas por doenças que podem se tornar epidemias, caso não controladas. Comecei a trabalhar há 36 anos e há 20 sou chefe do setor. Tenho alguns casos na minha carreira que estão fichados como ?indefinidos?. Isso é muito ruim. Mas as tecnologias mais recentes, ainda bem, nos permitem voltar para essas histórias, mesmo quando se tratam de casos já fechados. Hoje, por exemplo, sou testemunha de mortes que ocorreram em 1994. Neste contexto, o DNA foi uma das conquistas mais importantes. Assim como os exames de sangue que identificam doenças congênitas por trás de mortes de jovens aparentemente saudáveis, que morreram de forma misteriosa. Damos essa resposta à família, que nos aperta as mãos e nos diz muito obrigado.Não há dinheiro no mundo que pague isso. IG

Dr. Arnold Klein acusa fotógrafo de roubar quadro com Michael Jackson

É uma disputa colocando um homem que tira fotos de pessoas famosas contra aquele que faz de seus rostos foco para as câmeras, Dr. Arnold Klein, médico em Beverly Hills conhecido como “dermatologista das estrelas”, acusou David LaChapelle, o famoso fotógrafo que faz retratos surrealistas de celebridades, do roubo de um quadro de sua própria autoria. O fotógrafo admitiu que recuperou seu próprio trabalho – uma representação de Michael Jackson como Jesus Cristo -, mas ele insistiu que não fez nada errado. A disputa entre dois, já dura mais de um ano, mas só veio a público recentemente, quando a procuradora do distrito de Los Angeles optou por não apresentar acusações criminais contra LaChapelle. Em um documento de uma página há um declínio para processar, pois a promotora adjunto escreveu que não havia provas suficientes Dr. Klein sobre o roubo ou negação de LaChapelle. “Nem a vítima nem o suspeito podem ser corroborada. Não há nenhuma prova física “, disse a promotora, Jennifer Turkat, no mês passado. Dr. Klein se recusou a comentar sobre o assunto e um representante de LaChapelle disse que estava fora do país e não estava disponível. O quadro em questão fazia parte de uma coleção chamada “American Jesus”, que mostrou LaChapelle em galerias ao redor do mundo após a morte de Michael Jackson. As figuras usadas para criar a fotografia foram com base na Pietà, a cena tradicional da Virgem Maria que embala o corpo de Jesus Cristo. O trabalho foi avaliado em U$ 48.000 dólares, de acordo com a promotoria. Michael Jackson era um cliente e amigo do Dr. Klein, mas após a morte do cantor de 2009, as autoridades começaram a investigar as consultas e os medicamentos que ele forneceu ao cantor. Este foi apenas uma da séries de problemas para Dr. Klein. Ele entrou com um pedido de falência e sua mansão em Windsor Square pegou fogo em 2010, onde parte de sua coleção de arte avaliada em $ 7 milhões foi destruída. Entre os itens afetados estava o quadro de Chapelle, que Dr. Klein descreveu a polícia como um presente do artista. Dr. Klein enviou o quadro de volta para o fotógrafo para a reparação e LaChapelle se recusou a devolvê-lo, de acordo com um resumo feito pela promotora do caso. Quando questionado pela LAPD sobre os detalhes do roubo do quadro, o fotógrafo disse que a peça não era um presente, mas a compensação pelos serviços dermatológicos que o Dr. Klein não conseguiu fornecer-lhe. O fotógrafo disse à polícia que o Dr. Klein poderá ter o quadro de volta, quando ele pagar por ele, de acordo, com o resumo. A promotora escreveu, “o caso não pode ser comprovado BRD.” – além de uma dúvida razoável sobre o quadro que permanece no cofre da polícia. “Nós não sabemos o que está acontecendo com o quadro “, disse Patrick Toolan, um representante de LaChapelle. O detetive Don Hrycyk se recusou a explicar por que a polícia ainda está com o quadro, dizendo que ele não queria ajudar ou amparar a atenção da mídia adicional para “essas personalidades.” “Eu estou contente de se livrar dela”, ele disse sobre o caso. FONTE

Michael Jackson ganha nova estátua no Madame Tussauds de Hong Kong

No dia 16/06/2012, o museu de Madame Tussauds de Hong Kong inaugurou uma nova estátua de cera do Rei do Pop - Michael Jackson, em memória do 3º ano de sua morte. Os fãs de Michael Jackson foram convidados para a atração a fim de criar um tributo especial ao ídolo. A nova estátua de Michael Jackson retrata a pose de desempenho “This Is It”. Esta é a 14ª estátua de cera de Michael Jackson produzida pelo museu Madame Tussauds emtodo o mundo, perdendo apenas para a Rainha Elizabeth II que acaba de celebrar seu Jubileu de Diamante. Se Michael Jackson estivesse vivo completaria 53 anos em agosto. Foram convidados 53 fãs para participarem do lançamento da estátua. Para homenagear o idolo, os fãs criaram o nº 53 utilizando os CD e sua flor preferida, o girassol. Kelly Mak, Gerente Geral da Madame Tussauds de Hong Kong disse: “Michael Jackson é uma personalidade muito original que já vimos por tempos, é por isso que decidimos criar a sua segunda estátua no Madame Tussauds de Hong Kong. Nós também gostaríamos de comemorar os incríveis 40 anos de carreira que foram surpreendentes e prestar homenagem ao seu estrelato através do lançamento de sua estátua “. Fãs de diferentes cantos do mundo poderão agora visitar o Madame Tussauds de Hong Kong para ver seu ídolo de perto, o moonwalk de Michael Jackson, ou simplesmente tirar fotos com esta lenda da música! FONTE

Jeffrey Ex-médico de Michael Jackson consegue melhorias na prisão

As preces do Dr. Conrad Murray foram atendidas, pois ele ganhou um novo par de cuecas, um novo uniforme e uma cela limpa nesta semana, após ele apresentar diversas queixas sobre a maneira como ele está sendo tratado atrás das grades. O TMZ divulgou a história de que o Dr. Murray acredita que ele irá morrer na prisão de Los Angeles ao alegar que ele está sendo tratado como lixo, pois ele só consegue tomar banho de sol uma vez por mês e as roupas são limpas apenas uma vez por semana. Mas, depois de apresentar suas queixas, Dr. Murray viu os resultados imediatamente. Na verdade, Connie disse que seus advogados são um bando de deputados que entraram em sua cela na segunda-feira pela manhã e não poderiam ter sido mais complacente. Além das roupas limpas, Dr. Murray tem um novo cobertor também e foi levado para o telhado da prisão para tomar banho de sol. Um representante do Departamento L.A. County Sheriff’s contou que o Dr. Murray está recebendo cuidados apropriados para o tratamento das dores de cabeça que ele reclamou. O representante também afirmou que o Dr. Murray foi examinado por um médico na semana passada. Os advogados do Dr. Murray reconheceram que as coisas estão melhores, mas “ainda caracteriza suas condições de vida como horrenda”. Enquanto isso, Connie não podia estar mais feliz. Fontes mais próximas ao médico contaram que, “Seu espírito está muito melhor.” TMZ

Fãs homenageiam Michael Jackson no Museo de la Moda no Chile

Três anos após a morte de Michael Jackson, os fãs chilenos farão uma homenagem especial como parte do encerramento da exposição “”Icons & Idols III” no Museu de la Moda que irá até o dia 28/06/12 contendo as peças mais significativas da carreira do Rei do Pop. O evento terá uma homenagem com flores e um livro de condolências. Também será mostrada pela primeira vez a coroa que os filhos de Michael Jackson colocaram em seu caixão no dia do seu funeral. Michael Bush, figurinista de mais de 25 anos, viajou para o Chile especialmente para realizar o fechamento da amostra. No próximo dia 28/06/12 termina a exposição “Ícones e Ídolos III” no Museu de la Moda, composta com 45 das roupas, gráficos e acessórios simbólicos criados pelos designers americanos Michael Bush e Dennis Tompkins para Michael Jackson. As atividades incluem apresentações de algumas das coreografias de Michael Jackson mais populares, realizada por alguns de seus fãs, há um espaço especialmente preparado para aqueles que querem trazer flores e será soltos balões no final do dia com uma foto do Rei do Pop. FONTE

domingo, 17 de junho de 2012

They dont care about us

Stranger in Moscow

Véus e máscaras deixaram Paris Jackson "confusa" na infância

Paris Jackson, filha do falecido cantor Michael Jackson, ficava "realmente confusa" por ser obrigada a usar um véu ou máscara quando era criança e saía em público com o pai, mas ela diz agora compreender as razões. A menina de 14 anos disse em entrevista à apresentadora Oprah Winfrey que o "Rei do Pop" desejava que seus três filhos tivessem uma infância normal, algo que o próprio astro, ídolo precoce, não conseguiu ter. Jackson, que morreu em 2009, era conhecido por manter seus três filhos cobertos por véus e máscaras quando eles eram bem pequenos. Paris e seus irmãos Prince, de 15 anos, e Prince Michael II, de 10, conhecido como Blanket, hoje frequentam escolas regulares na região de Los Angeles e fazem aparições públicas em eventos celebratórios para Jackson. "Eu ficava realmente confusa", disse Paris a Winfrey, segundo trechos da entrevista divulgados antecipadamente. "Eu não entendia por quê estava usando máscara. Mas agora entendo por que meu pai queria que nossos rostos ficassem cobertos. Quando saíssemos sem ele, não seríamos reconhecidos." "Ele nos contou que, quando era mais novo, realmente não teve infância", prosseguiu ela. "Ele sempre ficava preso no estúdio cantando enquanto as crianças estavam lá fora brincando. Ele queria que tivéssemos isso. Tivemos uma infância normal", acrescentou ela. Paris está tentando se iniciar como atriz, e será protagonista de um filme de fantasia, "Lundon's Bridge and the Three Keys", ainda em fase de desenvolvimento por produtores independentes. FONTE

Filha diz que Michael Jackson queria vida normal para os filhos

Em entrevista à Oprah Winfrey, Paris Jackson conta que o hábito estranho de tapar o rosto dos filhos quando estavam em público era uma tentativa de dar-lhes uma infância normal, algo que ele nunca teve O cantor americano Michael Jackson fez com que seus filhos usassem máscaras quando andavam com ele para que não fossem reconhecidos quando saíssem sozinhos e pudessem ter uma vida normal, contou nesta quinta-feira Paris Jackson, a filha do artista morto em 2009. Em sua segunda entrevista, para o programa Oprah's Next Chapter da apresentadora Oprah Winfrey, a jovem de 14 anos reconheceu que a princípio não entendia por que era obrigada a tapar o rosto quando era menor, assim como seus irmãos Prince Michael e Blanket. "Mas agora eu entendo", disse Paris. "Quando saíamos sem ele (Michael Jackson), não nos reconheciam", completou, ao explicar que iam por exemplo a grandes lojas de brinquedos onde passavam despercebidos. Segundo a menina, seu pai lhe "contou que quando era mais jovem, não teve uma verdadeira infância. Sempre ficava preso em um estúdio de gravação cantando, enquanto os demais estavam lá fora brincando. Ele quis que tivéssemos isso". "Nosso pai era um homem normal quando estava conosco. E nos repreendia quando fazíamos algo ruim", declarou. Paris, que tinha 11 anos quando o rei do pop morreu em 25 de junho de 2009, está dando seus primeiros passos como atriz em um filme que mistura realidade e animação chamado Lundon's Bridge and the Three Keys, baseado em uma famosa série de livros para adolescentes. Em outubro passado, apareceu no palco em um show em homenagem a seu pai com seu irmão mais velho, Prince Michael, de 15 anos, e o mais novo, Blanket, de 10 anos. FONTE

Michael Jackson: revelada canção nunca antes editada

«Don't Be Messin' Around» fará parte da reedição de celebração dos 25 anos do álbum «Bad» Em setembro são celebrados os 25 anos sobre o lançamento de «Bad», um dos discos de maior sucesso de Michael Jackson. Mas antes da reedição chegar às lojas, os fãs poderão já ouvir uma canção nunca antes editada e que fará parte do segundo de três CDs incluídos na versão especial de «Bad». O inédito chama-se «Don't Be Messin' Around» e também foi gravado em 1987 juntamente com o restante material do disco, mas não chegou a ver a luz do dia. O tema serve agora também de lado B ao single de apresentação da reedição, «I Just Can't Stop Loving You». Para além das onze faixas originais de «Bad» e do disco de versões remisturadas e maquetas, esta edição especial irá contar ainda com o CD e o DVD do concerto de Michael Jackson no Estádio do Wembley, gravado em julho de 1988. FONTE

Paris Jackson diz: “Muita gente não gosta de mim”

A filha de Michael Jackson revelou que foi escolhida na escola. Paris Jackson, 14 anos, disse que alguns de seus colegas são “falso”. “Existem crianças na escola que falam tão mal de mim pelas costas que eles não sabem que posso ouvi-los”, contou Paris a Oprah Winfrey. “Às vezes eu posso ouvi-los e muitas vezes meus amigos me contam o que eles disseram, e eu digo apenas:’OK’”. “Muita gente não gosta de mim … Eu não sei o que é isto.” Paris, que frequenta uma escola particular em Los Angeles, também é alvo na internet. “Alguns internautas tem tentado me intimidar”, disse Paris. “Eles tentam me atingir com palavras, mas realmente não funciona.” FONTE

La Toya Jackson fala sobre entrevista da Paris Jackson

La Toya Jackson esteve no “Access Hollywood” para divulgar seu livro de memórias “Starting Over”, junto com os apresentadores ela assistiu e comentou os clipes da entrevista da Paris Jackson à Oprah Winfrey. La Toya Jackson acha que Michael Jackson fez um ótimo trabalho criando seus três filhos antes de sua morte em 2009 e ela elogia a sua controversa decisão de mascará-los, quando ele saia com eles em público. “Essa é a razão pela qual ele iria mascará-los, porque quando eles iriam sair sem ele, eles poderiam fazer o que eles [queriam], e eles tinham uma vida normal, o que é ótimo. Eles tiveram a oportunidade de experimentar isso”, La Toya continuou, referindo-se a Blanket, Paris e Prince que experimentaram a normalidade. “E eles iam com a babá [sem as máscaras], ninguém sabia quem eles eram. Mas com ele, ele mantinha a máscara assim as pessoas não iriam reconhecê-los e agora eles são crianças muito equilibradas, o que é ótimo”. La Toya disse acreditar que se Michael estivesse vivo, ainda estaria fazendo o máximo para manter seus filhos protegidos. “Sinceramente, eu acho que Michael teria mantido eles isolados ainda“, disse ela. “Isso é apenas a forma como ele estava criando eles … mas minha mãe sentiu que precisavam ser desmascarados e eles precisavam experimentar a vida como ela é. Eu simplesmente amo todos eles“, La Toya continuou. “Eles estão ótimos. Ele fez um grande trabalho e minha mãe está fazendo um trabalho incrível com eles.” Ela comenta também de que Michael sempre tinha que separar as brigas de Paris e Blanket. FONTE

Paris Jackson diz: “Eu sou vítima de bullying”

Paris Jackson contou que está passando pelas mesmas coisas que toda adolescente passa nos dias de hoje e isto inclui infelizmente ser vítima de bullying. A única filha de Michael Jackson foi entrevista pela Oprah Winfrey neste domingo, 10/06 em seu programa “Oprah’s Next Chapter.” Paris não estuda mais em casa como antes e hoje estuda em uma escola particular e ela contou que as meninas da sua nova escola tentaram intimidá-la, mas ela disse: “Isso não funciona.” Paris também disse que ela (assim como seu pai) descofiam muito das pessoas que tentam usá-los. Ela disse: “Se eu sentir que alguém está sendo falso comigo, eu vou apenas afastar.” Paris disse que Michael Jackson deixava seus filhos irem para lugares normais na esperança que eles teriam uma vida regular. “Chuck E. Cheese e Toys R Us eram os nossos lugares favoritos para ir”, disse. Michael Jackson também apresentou Winfrey Houston à sua melhor amiga e falou sobre seu filme. Paris falou ainda que a relação com o pai era “perfeitamente normal”. “Hoje vejo crianças com os seus pais e comparo ao meu. Ele era perfeitamente normal quando estava conosco. Se fazíamos algo errado, ficávamos de castigo. Ele não chamava de “castigo”, mas dizia que seríamos punidos. Algumas vezes, éramos bastante punidos. Mais eu e o Blanket porque brigávamos muito”, disse. Apesar das brigas na infância, Paris contou que ela e Blanket são muito unidos hoje em dia. “Prince começou a se afastar, ele é adolescente, os meninos fazem isso. Mas eu e Blanket encontramos muitas coisas em comum, mais coisas do que sempre tivemos. Estamos muito unidos“, disse. Paris conta: “Só percebi que o meu pai era o Michael Jackson quando tinha uns nove ou 10 anos. Na altura pensei: “Uau, é o meu pai!”. Veja o video aqui: http://www.tmz.com/2012/06/10/paris-jackson-bullying-oprah-interview/

sexta-feira, 8 de junho de 2012

"Don't Be Messing Round" Michael Jackson Demo 1987

Paris Jackson diz: “Meu pai queria que fôssemos normais’

A filha de Michael Jackson, Paris Jackson, afirmou à apresentadora americana Oprah Winfrey que tudo que seu pai queria era que ela e os irmãos vivessem longe da fama que o assombrava. “Meu pai queria que fôssemos normais, tivéssemos uma infância normal”, confessou a menina de 14 anos. Uma das questões levantadas pela apresentadora dizia respeito ao fato de que, quando apareciam em público ao lado de Michael, elas usavam máscaras para esconder o rosto. “Eu ficava muito confusa, eu não entendia [na época] por que eu usava uma máscara, mas hoje eu entendo”, confessou Paris. A menina prosseguiu ao afirmar que tudo que ele queria era que as pessoas não reconhecessem seus filhos quando ele não estivesse por perto. Isso porque, segundo ela, o pai queria um futuro diferente para os filhos. “Ele nos disse que quando ele era criança, ele não teve uma infância normal. Ele ficava preso no estúdio cantando, enquanto as outras crianças saiam para brincar”, revelou. Como conta Paris, o Rei do Pop era um pai que somente queria cuidar da privacidade dos filhos – o que explica os diversos rumores acerca do modo polêmico como ele os tratava em frente às câmeras. A entrevista na íntegra vai ao ar, nos Estados Unidos, no dia 10 de junho e promete mais revelações.

Mulher acusa Michael Jackson de falar sobre sua vida em músicas

Uma mulher está processando o espólio de Michael Jackson em US$ 1 bilhão, alegando que o cantor escreveu diversas músicas inspirada em sua vida, diz o site TMZ. Kimberly Griggs, que passou diversos anos na prisão por furto e roubo, diz que manteve um relacionamento com Michael Jackson, e afirma que detalhes de sua vida são encontradas em diversas canções dos discos “Off the Wall”, “Thriller”, “Bad”, “Dangerous” e “Number Ones”. Ainda segundo a mulher, Michael Jackson afirmou que daria a ela os direitos das canções, como recompensa por ter usado histórias de sua vida pessoal. Com a morte do astro, a mulher teria ficado em choque e agora pede US$ 1 bilhão pelos danos. O espólio de Michael Jackson não retornou as ligações do site TMZ. TMZ

Cirque Du Soleil está à procura de uma guitarrista para espetáculo de Michael Jackson

O Cirque Du Soleil e o Espólio de Michael Jackson estão à procura de uma guitarrista carismática para um novo espetáculo dirigido por Jamie King. O espetáculo será apresentado no Mandalay Bay Resort and Casino, em Las Vegas. As candidatas devem ser solistas com atitude de rockstar, excelente presença de palco e ter experiência cênica, além do domínio dos estilos musicais rock e pop. Candidatura online: https://cirquedusoleil.taleo.net/careersection/10120/jobdetail.ftl?lang=PT_BR&job=CAS03748&cid=external_ads/casting/territoriodamusica&src=PM-18400. http://www.cirquedusoleil.com/en/welcome.aspx

Stevie Wonder homenageia Michael Jackson no Rock Rio Lisboa 2012

Vendedor de algodão doce se inspira em Michael Jackson

Artista de rua ou vendedor de algodão doce? O vídeo que você irá assistir se transformou em um sucesso do YouTube, com mais de meio milhão de visualizações, mostra um vendedor de algodão doce arrasando ao som de “They don’t care about us”, de Michael Jackson. O rapaz dança, gira, executa alguns movimentos inspirados nos do Rei do Pop, e ainda cria chuvas de algodão doce para as crianças que rodeiam o seu carrinho. Sem contar sua obvia habilidade na produção da guloseima! Além das gotas voando, o homem cria correntes e até um porquinho, fazendo verdadeira mágica com uma simples varinha e açúcar.

The Jacksons cancelam os primeiros shows

Os The Jacksons não querem colocar a carroça na frente dos bois, e por isto o grupo cancelou os dois primeiros concertos porque estiveram ocupado gravando o seu novo álbum, de acordo com o TMZ. O grupo anunciou esta semana que está cancelando shows em Louisville e Cincinnati através de um representante da banda que atribuiu o problema a “conflitos de agenda.” Mas uma fonte próxima os Jacksons disse ao TMZ, que os irmãos (Jackie, Jermaine, Marlon e Tito) querem terminar de gravar o álbum antes de pegar a estrada para que eles possam cantar as novas músicas na turnê. Os The Jacksons pretendem fazer os shows cancelados, mas ainda não há data prevista. A turnê está programada para (provavelmente) começar em 20 de junho em Rama, ON, Canadá. TMZ

Casa onde Michael Jackson morreu tem candidato a comprador

O proprietário da casa onde Michael Jackson morreu, vem tentando vendê-la há 3 anos e parece que finalmente encontrou um comprador, mas a venda ainda não foi feita. As fontes da imobiliária contaram ao TMZ que um empresário de Los Angeles fez uma proposta por escrito oferecendo cerca de US $ 17 milhões para a propriedade que fica em Holmby Hills. Existe um problema, a propriedade está há venda por US $ 23,9 milhões e o futuro comprador e o proprietário estão em processo de negociação para ver se eles chegam ao um acordo comum. Ainda de acordo com o TMZ, a pessoa interessada não pretende comprá-la porque Michael Jackson viveu e morreu ali, mas por simplesmente gostar da casa. O proprietário teve problemas de vender a casa no passado porque a casa foi invadida por turistas e fãs que queriam dar uma espiadinha. TMZ

Robôs dançam Thriller de Michael Jackson

Quando você acha que os robôs chegaram no seu limite, pesquisadores do MIT, em parceria com Aldebaran Robotics, conseguiram sincronizar um grupo robôs para dançar “Thriller” de Michael Jackson.

Michael Jackson escreveu carta para Lisa Presley

O site “TMZ” publicou, nesta terça-feira, 30, uma carta de Michael Jackson para Lisa Marie Presley, a qual foi removida do leilão após a reclamação da Lisa. Lisa Marie não disse porque ela quer a carta de volta, mas ficou muito claro que Michael Jackson lutou contra a falta de sono por anos até que encontrou uma solução rápida, o uso do Propofol. De acordo com o site, a carta foi escrita entre os anos de 1993 e 1996. No bilhete, o cantor afirmou que não dormia há quatro dias e que tinha que cuidar da saúde. Veja o que dizia a carta: “Cheira aqui (indicação com uma seta para um quadrado, como se tivesse perfume). Lisa, eu realmente preciso descansar. Eu literalmente não durmo há quatro dias. Eu preciso ficar longe de telefones e pessoas do meio artístico. Eu preciso cuidar da minha saúde. Eu sou louco por você. Amor. Turd”, diz a suposta carta. Como relatado pelo TMZ anteriormente, Michael Jackson já comprava Propofol antes dele contratar o médico Dr. Conrad Murray. O leiloeiro Darren Julien se rendeu ao pedido da filha de Elvis Presley que disse ao TMZ: “Eu estou assumindo que é de natureza pessoal, e queríamos honrar o pedido e continuar nosso bom relacionamento com a Sra. Presley.” TMZ

Scott Thorson diz ter tido um relacionamento com Michael Jackson

Scott Thorson, 53 anos, é um americano que se tornou famoso nos anos 70 por ser o companheiro do famoso pianista Liberace. Scott foi entrevistado no “Entertainment Tonight” programa da TV dos EUA e conta que ele teve um relacionamento íntimo com Michael Jackson sem que Liberace soubesse na época. Scott diz que se tornou amigo de Michael antes dele deixar o Jackson 5 para lançar sua carreira solo. Scott diz: “Liberace foi apresentado para Michael em Las Vegas. E eu e Michael sentimos um tesão muito forte um pelo outro e logo nos primeiros instantes. Nós nos tornamos bons amigos e logo chegamos à cama. Eu fiz sexo com ele várias vezes”. E rindo ele acrescentou: “Michael não está aqui para se defender.” Scott também conta que: “Nós éramos jovens, nós dois gostávamos um do outro, nós tínhamos um monte de diversões. Viajamos por toda a Europa juntos. Michael era meu melhor amigo, eu era seu melhor amigo”, acrescentou. Scott alega que o relacionameto aconteceu em 1979 e que os dois teriam se separados porque Michael desenvolveu uma obsessão por ele. Scott também disse que foi ele que apresentou ao Rei do Pop a cirurgia plástica que ele “fez em seu nariz”. O relacionamento entre Scott Thorson e Liberace teria terminado devido a dependencias de drogas de Scott. O pianista Liberace morreu em 1987 de AIDS aos 67 anos. FONTE

Michael Jackson em Ghost...

Sony Music Apresenta imagem inédita da capa do DVD da BAD TOUR