It's All for L.O.V.E.

Quem Nos Visita?


Visitor Map

terça-feira, 1 de novembro de 2011

PETA quer processar defesa do médico de Michael Jackson

Dr. Conrad Murray não irá sentar no banco das testemunhas para depor em sua defesa no julgamento da morte de Michael Jackson, de acordo com a RadarOnline.




Os depoimentos serão retomados nesta segunda-feira com outras testemunhas da defesa, o Dr. Paul White. O promotor David Walgren será a cruz para interrogar o especialista em propofol.

“O Dr. Murray disse aos seus advogados desde o primeiro dia que ele queria depor e contar o seu lado dos acontecimentos. Mas o advogado Ed Chernoff determinou que o Dr. Murray não irá assumir o posto porque ele não seria capaz de suportar o duro interrogatório submetido pelo promotor”, disse uma fonte próxima ao Dr. Murray.

“Os clientes sempre querem depor, mas, neste caso, Walgren seria capaz de desgastá-lo, e o Dr. Murray apenas não seria capaz de superar os fatos básicos do caso: como o fracasso de não ter ligado para o 911 imediatamente, em não contar para os médicos da emergência que ele tinha dado para Michael Jackson propofol, e não ter o equipamento de monitorização adequado” acrescenta a fonte.

Após a defesa, o promotor chamará várias testemunhas para impugnação. “Nenhuma decisão foi tomada ainda se Walgren estará colocando a contestação”, disse outra fonte.

Dr. White admitiu ao ser questionado sobre dar Propofol por via oral aos animais.

A equipe de defesa do Dr. Conrad Murray encomendou um estudo com cães Beagle para determinar a quantidade de medicamentos que teria que ser ingerida por via oral para causar a morte de Michael Jackson. A defesa foi forçada a abandonar esta teoria depois que os testes comprovaram que seria impossível alguém morrer ingerindo via oral Propofol.

PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) registrou uma queixa com o U.S. Department of Agriculture (USDA) alegando que os“testes de medicamentos encomendados para os Beagles foi cruelmente toxicantes pela equipe de defesa do Dr. Conrad Murray”.

“PETA afirma que, se os advogados de Flanagan, Unger, Grover & McCool fizeram a comissão de testes para o Propofol- os efeitos tóxicos dos quais têm sido extensivamente estudado em cães e seres humanos – os testes foram provavelmente realizados em violação das leis federais Animal Welfare Act’s que proibe testes em animais que duplicam experimentos anteriores. PETA entrou com uma queixa junto ao estado da Califórnia também “, disse a organização em sua denúncia.”

MJ_Speechless

Nenhum comentário:

Postar um comentário