It's All for L.O.V.E.

Quem Nos Visita?


Visitor Map

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Livro revela o lado brincalhão de Michael Jackson

Michael Jackson gostava de pregar peças nos outros de acordo com o novo livro sobre o cantor, escrito pelo seu ex-gerente e assistente pessoal.



O livro intitulado “Meu amigo Michael: Uma Amizade Ordinária com um Homem Extraordinário” de Frank Cascio, um dos seus amigos de longa data.

Ele conta que o Rei do Pop, que morreu em 2009, aparecia em sua porta para ajudá-lo a limpa a sua casa.

Ela também revela que o cantor se divertiu e riu muito jogando um balde de água em seus convidados em um jantar, e os convidados foram pegos de surpresa.

Este é o Michael que a maioria nunca ouviu falar e Cascio conta que era uma das coisas que ele sabia fazer de melhor.

Ex-amigo de Michael Jackson passou 20 anos com o cantor de “Thriller” na estrada e na casa do escritor em Nova Jersey.

Mas o livro também narra um lado mais sombrio da estrela do pop, incluindo seu uso em medicamentos prescritos.
Cascio afirma espantosamente que Michael estava usando Propofol, o anestésico que custou sua vida, já em 1999.

Cascio também alega que o cantor estava sob o efeito de medicamentos no seu show do 30º aniversário que aconteceu em 2001.

Cascio, que se tornou um amigo da família de Jackson quando ele tinha cinco anos, diz que notou quando Michael utilizou Demorol pela primeira vez enquanto o acompanha em sua turnê “Dangerous”, em 1993.

Ele também afirma que Michael Jackson começou um de seus shows de aniversário com uma hora de atraso porque a estrela estava sob efeito de medicamentos.

“Minha crença ingênua era de que Michael não iria deixar o remédio interferir em seus shows, mas isto explodiu na minha cara”, escreve Cascio.

“Eu não consigo começar a descrever a minha decepção e pânico neste momento,” ele continua.

A AP relata que o livro, que foi lançado em 15 de novembro, diz que Michael Jackson utilizou Demerol pela primeira em 1984, depois que queimou a sua cabeça durante o comercial da Pepsi.

Cascio contou também que Michael Jackson injetou Propofol em 1999 em Munique, quando o cantor caiu de uma plataforma de 50 metros de altura ao invés de descer lentamente.

Cascio também escreve que Michael Jackson havia tomado Demerol para tratar a sua doença de pele, o vitiligo, e ficou ainda maior sua preocupação com o uso de medicamentos.

“Tornou-se claro pra mim que o uso de medicamentos por Michael foi feito como uma escalada”, escreveu ele. Cascio disse que algumas vezes ele pagou em dinheiro os médicos “porque todos os problemas médicos que Michael teve, foram mantidos longe do público e dos seus livros.”

Ele também disse que algumas das prescrições foram feitas em seu nome.

“Ao longo dos anos, eu cresci acostumado a ver os médicos indo e vindo, especialmente durante as turnês, quando Michael estava sob grande estresse e precisava de ajuda para adormecer.”

Cascio disse que queria procurar ajuda, mas não sabia a quem recorrer. À frente dos shows de Michael Jackson em seu aniversário de 2001, ele disse que falou com Janet, Randy e Tito sobre o uso de medicamentos pelo seu irmão . Ele escreveu que os irmãos de Michael Jackson se aproximaram da estrela, mas o cantor “simplesmente os empurrou”.

O médico do pop star, Dr. Conrad Murray, foi condenado no início deste mês de homicídio culposo por fornecer a Michael Jackson o Propofol com forma de combater seu problema com a insônia para ajudá-lo dormir enquanto ele ensaiava para o seu grande retorno.

Cascio também lança um olhar sobre seu amigo Michael em alguns momentos pessoais e profissionais, relatando que “ele e Michael haviam ficados bêbados em algumas ocasiões nas montanhas”, e que Michael gostava de beber vinho em garrafas de suco e de latinhas de refrigerante.

Michael Jackson convidou Cascio para trabalhar com ele como assistente pessoal um ano depois que ele se formou no colegial. Ele mais tarde se tornou seu empresário pessoal.

Ao longo do livro, Cascio escreve que Michael Jackson tinha um amor por eles e queria ser pai ao total de 10 filhos .

Cascio conta que a princesa Diana estava no topo da lista das mulheres que Michael Jackson queria até a data. Mas o cantor não via problemas em se relacionar com fãs e chegou a sair com uma integrante de seu fã clube.

“Ele gostava de mulheres mais altas e magras. Mulheres que ele descrevia como inteligentes e sensuais”, escreve ele.

MJ_Speechless

Nenhum comentário:

Postar um comentário