It's All for L.O.V.E.

Quem Nos Visita?


Visitor Map

sábado, 5 de novembro de 2011

David Walgren faz argumentos finais sobre médico de Michael Jackson

O Promotor David Walgren começou apresentar seus argumentos finais ao júri, insistindo que o Dr. Conrad Murray causou a morte de Michael Jackson.



Walgren disse aos jurados que, por Prince, Paris e Blanket este julgamento não terminará hoje, porque eles perderam o pai.

Ele disse que o Dr. Conrad Murray violou a confiança sagrada entre médico e paciente “a cada dia.”

Esta relação de confiança que é tão importante foi grosseiramente corrompida pelas ações de Conrad Murray.

Sabemos que em 24 de junho MJ ensaiava no Staple Center e fez um grande desempenho. Sabemos que 12 horas depois ele estava deitado, morto em sua cama em sua casa.

MJ estava animado. Ele estava olhando para o futuro.

MJ era um gênio criativo em busca da perfeição. Ele queria ser o melhor.

MJ estava fazendo planos de longo prazo tanto para si mesmo e como para seus filhos. Ele estava animado para se acalmar.

Queria agradecer a seus fãs pelos anos de lealdade.

MJ também queria fazer isso para seus filhos. Ele queria que eles o vissem criativo. Essa foi uma das bases para o seu desejo de sair em turnê.

Ele queria uma grande propriedade com córregos, cavalos e animais de modo que seus filhos podessem viver uma vida normal.

Nós ouvimos o seu desejo de abrir um hospital para as crianças, para dar isso para o mundo. Michael tinha planos, sonhos e esperanças.

O que também sabemos de várias testemunhas que o que foi fundamental para ele era seus filhos. Ele estava animado com seus filhos, pois eles iriam começar a vê-lo dançando em Londres. Mas nada disso veio a ser porque em 25 de junho de 2009 MJ foi pronunciando morto aos 50 anos.

Discutimos como Paris se ela viu seu pai naquele dia e gritou “papai!”

Discutimos como o Prince teve uma reação chocante. Isso é o que o Dr. Murray fez.

Joe, Katherine, La Toya e Randy Jackson estão no tribunal.

Walgren lembra que cada um jurou seguir a lei. Ele diz que eles precisam para cumprir suas obrigações como jurados.

Como um médico a lei reconhece esta relação especial e a lei diz que você tem o dever legal de agir.

O fracasso de agir sobre esse dever causou a morte de Michael Jackson.

Negligência criminosa não é sobre ter a intenção de causar danos.

O Réu permanece criminalmente negligente, se ele podesse ter previsto a morte.

Dr. Conrad Murray sabia que MJ gostava de Propofol.

Dr. Conrad Murray deveria saber que não poderia deixar MJ sozinho em um quarto cheio de medicmentos.

Dr. Murray fez falsas declarações quando ele não conseguiu dizer aos médicos que ele administrou Propofol. Isso prova que ele sabia o que ele fez foi errado. Ele nunca mencionou aos paramédicos e aos médicos da UCLA. Estas declarações foram falsas. Que é a consciência da culpa.

Dr. Murray acertou na loto com este show à espera de receber por mês 150mil dólares. Ele enviou cartas a seus pacientes que estava deixando sua prática indefinidamente, porque ele tinha uma oportunidade única na vida.

Dr. Murray enviado Propofol para o apartamento de sua namorada e para sua clínica.

Nós ouvimos a voz arrastada de MJ um mês e meio antes de sua morte. É uma gravação triste.

Dr.Murray não se incomodou em registrar a voz de MJ, mas por alguma razão ou motivos os registros da voz de MJ foram mantidos.

Mesmo neste estado vulnerável, MJ estava falando sobre o futuro, de seus sonhos, do hospital infantil. Quando ele não tem motivos para acreditar que alguém jamais iria ouvi-lo, ele está falando sobre o que ele queria fazer no futuro. Estes eram os seus verdadeiros sentimentos.

Por razões completamente desconhecidas Dr. Murray decidiu gravá-la em seu iPhone.

O que o Dr. Murray fez 2 dias depois? Ele ordenou o seu maior embarque de Propofol, Lorazepam e Midazolam.

Em uma reunião em junho o Dr. Murray garantiu a todos que MJ estava muito bem.

Ouvimos de Kenny Ortega, que em 19 de junho ele estava preocupado. Ele viu MJ tremendo. Ele compartilhou suas preocupações com o CEO Randy Phillips da AEG Live. Ele disse que tentou ligar para o Dr. Murray.

Em 20 de junho, houve uma reunião. Sabemos que o Dr. Murray ficou chateado porque MJ foi mandado para casa. Dr. Murray disse severamente para Ortega “ser o diretor e deixar a saúde de Michael para mim.” Infelizmente, foi isso que aconteceu.

Nós aprendemos que em 21 de junho Michael estava reclamando que ele estava com parte fria do corpo e outro quente. Sabemos que seu segurança ligou para sua enfermeira que disse-lhes que MJ precisava ir ao hospital.

Em 23 de junho Michael ensaiva no Staples Center. Por todas as contas, foi um grande ensaio. Havia luz no fim do túnel.

No 24 de junho, último ensaio de MJ foi novamente um sucesso. Todo mundo estava animado com a turnê ia finalmente acontecer. MJ estava particularmente animado com a “ilusão” que iria ensaiar no dia seguinte.

Ele disse Ortega, “Eu amo você.” e eles se abraçaram.

Randy Phillips também abraçou MJ.

Após a morte de MJ foi feito um acordo para encontrar com o Dr. Conrad Murray na Marina del Rey. E o Dr. Conrad Murray estava lá com seus advogados. Neste ponto, os investigadores sabiam muito pouco. A causa da morte ainda não havia sido determinada.

Detetives estavam trabalhando no escuro. Sentaram-se para ouvir o que o Dr. Conrad Murray tinha a dizer. Eles gravaram o que o Dr. Murray disse.

O que aprendemos é que ele era o médico de MJ e que seu propósito era colocar MJ para dormir.

Quando os detetives perguntar com que frequência isso aconteceu? Murray diz a eles todos os dias.

Ele descreve como ele deu 50 injeções por via intravenosa a cada dia exceto algumas noites antes.

De acordo com o Dr. Murray a única vez que o MJ dormiu era 04h00.

As 04h00 o Dr. Murray disse aos investigadores, que “MJ estava reclamando que não conseguia dormir.”

Às 5:00 ele deu Lorazepam ao MJ e depois às 7:30 deu Midazolam.

Às 10h00 MJ começa pedor Propofol.

Durante seu depoimento, Dr. Murray disse a polícia que estava preocupado ao dar Propofol para MJ às 10:00 horas, porque MJ tinha que tomar o medicamento ao 12h00, duas horas mais tarde – o que sugere que ele pretendia dar-lhe outra dose, então ele não deu somente 25 mg que o colocaria para dormir por 5 minutos.

Depois de ir ao banheiro, o Dr. Murray vê que MJ não está respirando. Ele não liga para o 911 porque para falar com um atendente do 911 seria a negligência.

O que ele fez? Ele chama Michael Amir Williams e deixa uma mensagem. E tudo que ele precisava dizer era: “Ligue para o 911.” Mas ele não fez e teve um comportamento estranho.

Ele deixou uma mensagem no correio de voz em vez de usar esse tempo para chamar o 911 porque ele estava colocando o Dr. Conrad Murray em primeiro lugar e não o paciente. Talvez ele tivesse a necessidade de esconder as evidências. Também ouvimos sobre a conversa do Dr. Murray de 23 minutos de duração onde ele diz que o MJ não conseguia dormir.

É provável que MJ recebesse gotejamento.

Sabemos que ele estava olhando seus e-mails, e a companhia de seguros estava preocupada com a saúde de MJ. Dr. Murray disse a companhia de seguros que os rumores da saúde de MJ eram tudo falso.

Ele também fez chamadas para Sade Anding, em seu trbalho, para outras pessoas. O que ele tinha de tão importante que ele precisava chamar Sade Anding naquele momento?

Sabemos Sade ouviu vozes em segundo plano no momento exato que o Dr. Murray deixou o telefone cair. Dr. Conrad Murray estava em outra sala?

Será que MJ pediu ajuda? Será que ele suspirou? Será que ele engasgou? Nós não sabemos … Nós nunca saberemos. Por causa da negligência do Dr. Murray.

Você já ouviu a mensagem que ele deixou para o assistente de MJ, Michael Amir Willaims.

“Williams chame Faheem Mohammed e Alberto Alvarez”.

Quando Alvarez entra no quarto, ele ouve Paris gritando: “Papai!” funcionários e as crianças ficam do lado de fora do quarto.

Dr. Murray pega frascos de remédio e instruiu Alvarez para colocá-lo em um saco. Ele então pede para pegar um saco específico de solução salina.

Só então Dr. Murray pede Alvarez para chamar o 911. Isto só acontece depois que ele escondeu os as evidências, 20 minutos depois.

Os paramédicos respondem em 6 minutos. Eles estavam a uma milha e meia de distância.

Os paramédicos comentam sobre o suporte básico de vida que ele fez de imediato… Infelizmente já era tarde demais.

EMT tinha o equipamento que poderi ter salvado a vida de MJ se o Dr. Murray tivesse chamados os imediatamente.

Enquanto os paramédicos coloca MJ na ambulância, o Dr. Murray está pegando as coisas do chão e colocando em um saco de lixo. Por quê?

No hospital os médicos perguntam qual o medicamento que o Dr. Murray tinha dado ao MJ… E novamente o Dr. Murray não menciona o Propofol.

Depois de MJ foi declarado morto, Dr. Murray está preocupado com a recuperação de um “creme” MJ não queria que as pessoas conhecessem.

Dr. Murray não estava preocupado com um creme… Ele estava preocupado com ele mesmo.

Dr. Murray sabia que o relatório toxicológico ia sair. Ele foi lá para controlar os danos. Ele veio para frente para a autopreservar Dr. Conrad Murray. Ele veio para frente para chegar à frente da história. Infelizmente a sua história não condiz com as evidências.

Um único médico disse que nunca teria feito o que Dr. Murray fez.

Descobrimos que Propofol é usado em um ambiente altamente controlado. Isto é senso comum. Ninguém nunca tinha ouvido falar de alguém usar Propofol em um quarto…

Isto que o Dr. Murray fez é uma violação flagrante dos cuidados médicos. É a uma bruta negligência criminosa.

Dr. Murray conduziu um experimento em MJ.

O propofol é uma droga maravilhosa se for utilizada de forma adequada. Ela requer acesso imediato a equipamento de reanimação padrão. Você também precisa saber como utilizá-lo. E o Dr. Murray foi direto para compressões cardíacas e respiração boca a boca, nunca usou o saco que ele tinha.

A preocupação com os e-mails, textos e as chamadas são um abandono de um paciente. Deixando de lado o paciente que é ainda pior.

Os benzodiazepínicos são imprevisíveis. Dando a MJ os sedativos potentes em um ambiente sem monitoramento foi criminosamente negligente.

Dr. Murrray falhou em não registrar nenhum documento, nem sequer um único sinal vital foi gravado, uma única dose registrada. Dr. Murray foi muito feliz em gravar a voz de MJ, mas não se incomodou de tomar qualquer nota. Dr. Murray preferiu não tem nenhum prontuário médico, porque ele não queria que seu tratamento bizarro fosse documentado.

Ele enganou os médicos do UCLA Medical Center, um desvio extremo do padrão de atendimento.

Especialistas têm agora a especular o que aconteceu com MJ… Tudo porque o Dr. Murray não tomar notas.
Dr. Steven Shafer disse que o cenário mais provável é que o Dr. Murray deu a MJ um gotejamento. É com base nas provas… Um saco com estampas foi encontrado na cena do crime.

A guia pendurada na garrafa Propofol não foi utilizada e estava intacto… Sugerindo a garrafa estava pendurado no saco de salina.

David Walgren está atacando com sarcasmo sua declaração final dizendo ao júri, “Pobre Conrad Murray todos estão apenas trabalhando contra ele.”

Walgren disse que o tratamento feito pelo do Dr. Murray em Michael Jackson estava cheio de “bizarrice, comportamento antiético inconcebível” acrescentando: “É por isso que estamos aqui.”

Walgren diz que a equipe de defesa está culpando todos, mas o médico está zombando da defesa para o que sugere com uma “conspiração” contra o médico.

“Todo mundo é a culpa, menos o Dr. Conrad Murray … pobre Conrad Murray.”

MJ_Speechless

Nenhum comentário:

Postar um comentário