It's All for L.O.V.E.

Quem Nos Visita?


Visitor Map

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Streinberg diz que Murray fez tudo errado

Dr. Alon Steinberg, um dos principais cardiologistas da Califórnia Medical Board depôs no dia de hoje, 12/10/11 dizendo que o Dr. Conrad Murray demonstrou “um desvio extremo” das práticas padrões em seus cuidados com Michael Jackson.




Dr. Steinberg deixou bem claro que ele é um cardiologista não um anestesista.

Dr. Steinberg disse que ele apenas reviu o caso do Dr. Murray através do depoimento feito pelo médico dois dias depois da morte de MJ e Dr. Murray é o “juiz de suas próprias palavras.”

Dr. Steinberg encontrou 06(seis) desvios separados e distintos do padrão de atendimento, todos qualificados como negligência grosseira. Propofol só deve ser utilizado para procedimentos em um hospital e nunca deve ser usado para dormir.

Dr. Steinberg disse que nunca ouviu falar de alguém usando Propofol para dormir.

Dr. Murray não tinha os equipamentos básicos em caso de uma emergência.

Dr. Steinberg disse que o Dr. Murray não tinha ideia do que ele estava fazendo. O que ele deveria ter feito é ter usado Flumazenil, um antídoto para o Propofol, ligado para o 911 e utilizado um equipamento de oxigênio, poderia ter salvo o Michael Jackson, mas ao invés disto ele começou a dar-lhe compressões torácicas sem necessidade, pois o coração de MJ ainda estava batendo.

Outro erro enorme, o Dr. Murray não chamou o 911. Dr. Steinberg disse aos jurados que a primeira coisa que o Dr. Murray deveria ter feito era ter chamado o 911.

Quando o Dr. Murray finalmente pediu ajuda, ele chamou o Assistente de MJ.

Dr. Steinberg disse que para cada minuto perdido, é menos chance do paciente sobreviver. E se o paciente viesse a sobreviver poderia ter danos cerebrais após os 05 minutos de atraso.

Dr. Steinberg classificou o comportamento do Dr. Murray de “bizarro”.

Outro grande desvio, o Dr. Murray não tomou nota de nada que aconteceu. Isto é importante não só para fins de seguro e legal, mas também para se certificar que tudo está documentado, para que não sejam cometidos erros. Nem um único sinal foi escrito o que causou confusão na sala de emergência.

Dr. Steinberg disse que a falta de cuidado do Dr. Murray “contribuiu diretamente para a morte prematura de Michael Jackson.”

Dr. Steinberg disse que mesmo que o MJ tivesse tomado a dose fatal, o Dr. Murray ainda estaria em falta com o paciente por tê-lo deixado sozinho naquele quarto, que seria a mesma coisa de deixar um bebê em uma bancada.

Dr. Steinberg disse aos advogados de defesa que o Dr. Murray não está treinado para aplicar Propofol.

Dr. Steinberg disse que não sabia muito sobre o Dr. Murray até ler as transcrições do depoimento do médico para a polícia.

Dr. Steinberg disse que, de acordo com as transcrições do depoimento do Dr. Murray, o médico deu gotas de Propofol para MJ na noite em que o cantor morreu, além das 25 mg iniciais.

Dr. Steinberg disse que no depoimento é mencionado claramente a palavra “gotejamento”. Isso pode ser importante porque a defesa está sugerindo que a quantidade que o Dr. Murray deu ao MJ era muito pequena para matar ninguém.

Dr. Steinberg disse que o Dr. Murray teria que manter o gotejamento por mais tempo para manter o MJ dormindo por mais alguns minutos.

Os Advogados do Dr. Murray perguntaram para o Dr. Steinberg se ele realmente acreditava que o Dr. Murray deixou o quarto por dois minutos … sugerindo que poderia ter sido mais.

Dr. Steinberg disse que ele não tem dúvida de que MJ estaria vivo hoje se o Dr. Murray tivesse simplesmente ligado para o 911.

MJ_Speechless

Nenhum comentário:

Postar um comentário