It's All for L.O.V.E.

Quem Nos Visita?


Visitor Map

sábado, 13 de março de 2010

Sobre "Captain EO" (Part II)

Quando se trata de Disney, há sempre mais na história, especialmente porque a documentação dos projetos é frequentemente muito casual ou inexistente e, muitas vezes, a papelada está enganada. Por exemplo, alguém pode aparecer oficialmente como o produtor, mas o trabalho real é feito por outra pessoa. Às vezes, quando alguém deixa a empresa Disney, sua contribuição para um projeto está minimizada ou totalmente eliminada.

Na verdade, EO é um exemplo maravilhoso de pessoas que tentam construir seus próprios impérios (às vezes, exagerando sua contribuição ou apontando o dedo para outra pessoa) e, conseqüentemente, o projeto saiu fora de controle. Quando eu mencionei que EO foi um projeto problemático, não expressei totalmente o desleixo que era e uma das razões era que ninguém parecia escutar uns aos outros e foi um projeto sem um bom plano prévio de produção.

Photobucket

A empresa Disney é muito rigorosa com aqueles que trabalham nos parques de forma que não revela os números de participação ou problemas de dinheiro para pessoas de fora da instituição. Mas isso não impediu que os jornalistas fizessem algumas conjeturas muito precisas sobre estes números. Durante anos, as pessoas têm estimado que o orçamento final para EO foi de cerca de US$ 17 milhões com algumas estimativas, este número chega a US$ 30 milhões, com base em informações de algumas pessoas que trabalhavam na produção ou no negócio e sabem o custo real das coisas. Eu sempre acreditei que o custo real nunca será conhecido.

Então, com exclusividade para os leitores, o custo real do Captain EO é de US$ 23,7 milhões.
Como sabemos que esse valor está correto? Devido ao montante de dinheiro que foi transferido do código do projeto para o estúdio ao final. Por razões de contabilidade, quando a Disney faz um projeto, os encargos são recolhidos e transferidos em um código do projeto. O projeto, em seguida, é "vendido" para o parque para que ele possa ser capitalizado em termos favoráveis.

23,7 milhões de dolares era muito dinheiro, especialmente em meados da década de 1980 e, sobretudo que o vice-presidente de finanças revelou que só esperava gastar uma média de 10 milhões.

Por que o projeto ultrapassou os US$ 14 milhões do orçamento? Certamente, o talento ea tecnologia são caros (apesar de que supostamente tudo estava incluído no orçamento original), mas a verdadeira causa foi que o projeto entrou em produção, sem uma história firme (Michael Jackson poderia voltar todos os dias com diferentes versões das canções). Este foi um dos primeiros exemplos de um projeto em que "todo mundo tinha que aprovar tudo", mesmo se sabiam ou não algo sobre o assunto.

Naquela época, George Lucas estava trabalhando em Star Tours, que Michael Eisner insistia em ser chamado de Ride Star, porque ele gostava da palavra "Ride" (viagem). Eu sempre ouvi dizer que Star Tours sofreu multissimos atrasos devido à tecnologia e à necessidade de perfeição por parte de Lucas. Eu soube recentemente a partir de fontes que trabalharam na atração que estava pronto para sair a tempo, mas a abertura atrasou de propósito para evitar prejudicar a estréia do Capitão EO. Naqueles dias, o plano era que o filme Star Tours se atualizaria a cada três anos, com experiências diferentes em cada módulo.

A Disney também tentava atrair Michael Jackson e convidaram para reunir com as pessoas de Imagineer em suas instalações de Tujunga onde haviam preparado um modelo de um atrativo passeio, que incluiria Jackson. Supostamente, iria ser em 3D. Um dos Imagineers lembrou que estranhou a mão de Jackson, foi como apertar as mãos a um peixe morto e magro. Jackson gostou do modelo, mas não quis participar do projeto. Também houve conversas sobre um filme 3D que ficaria no prédio do 'Carousel of Progress' onde ele se interessou.

Na verdade, houve três propostas para o filme, e tanto Jackson como a Disney concordaram com a idéia de Captain EO mais do que qualquer outra. Parte do problema foi a proposta em si. Estava escrita em uma página em apenas quatro parágrafos, que basicamente dizia "Jackson e sua equipe espacial magicamente transformaram as pessoas feias'. Houve apenas uma indicação geral da tripulação e uma rainha sem um nome.

Por que essa proposta demonstrou ser um problema? Precisamente porque foi uma proposta rápida, nem ao menos poderia ser considerada uma proposta de cinema, e a Disney tinha a tarefa de dar uma estimativa de orçamento inicial de 10 milhões de dólares apesar de algumas vozes discordarem. Logo se deram conta que não havia alguém na equipe que realmente poderia lidar com este projeto inovador, de modo a configurar uma pequena lista de diretores externos.

Pelo menos um Imagineer sugeriu John Landis, baseado no sucesso que o diretor conseguiu com "Thriller". No entanto, aqueles que estavam responsáveis pela decisão final se opuseram a sugestão, provavelmente por razões orçamentais, incluindo o medo que eles não seriam capazes de "controlar" Landis e que iria superar o orçamento. Toda a discussão foi interrompida quando Lucas decidiu que Francis Ford Coppola seria o diretor do filme.

A Disney considerava que apesar que Coppola fosse o diretor, Lucas poderia intervir e fazer a maior parte da direção. Isso não aconteceu porque Lucas não visitava o set e estava frustrado com a política típica da Disney em torno do projeto. Lucas tinha habituado trabalhar de forma independente e não ter que responder às outras pessoas depois de seu sucesso com Star Wars.

Foram três semanas de filmagem com Coppola na direção, mas depois passou quase seis meses tratando de preencher buracos na história com alguns dias de rodagem adicional para deixar o trabalho concluído. Não se tratava apenas de adicionar efeitos especiais, mas realmente definir a história. Um Imagineer descreveu as imagens com 'bruta', das três primeiras semanas de filmagem como "um desastre". Para piorar a situação, houve três momentos no filme completamente fora de sincronia: dois pontos de áudio e uma instância de 3D. A Disney atrasou uma semana para verificar se os projetores estavam bem através da execução de inumeráveis testes técnicos para demonstrar que os problemas estavam no próprio filme. Esses problemas, é claro, nunca teriam sido corrigidos.

Se bem ainda se discuti se Michael Jackson se apresentou para o lançamento oficial, se ele realmente estava presente durante alguns testes que foram realizados na Disneylândia. Lembrando que ele começou a usar máscara cirúrgica, que muitas vezes era fácil identificar entre os convidados. Quando isso se tornou um problema, Jackson se refugiou na cabine de projeção para ver o filme e estudar as reações da platéia. Como se esperava, o show começou com longas filas, mas era evidente que não geraram um desejo de rever nem tinha um desejo para as pessoas em comprar produtos relacionados.

Uma citação de Dave Mason de 1997 sobre as aparições de Michael nas projeções:

"O departamento de vendas nos convidou para a estréia de Captain EO, e quem sou eu para recusar um presente! Nós nos mudamos para o centro do teatro, apenas para descobrir que tínhamos de passar sobre alguém que estava ''guardando asentos.'' Pouco antes das luzes se apagarem, surge um grupo de pessoas. Não entendi a situação até que eu vi Michael Jackson (com sua máscara cirúrgica). E ninguém parecia notar! Ninguém notou, e ninguém falava. Fiquei surpreso. E ao lado de Michael, sua mãe, uma jovem loira, e Quincy Jones. Neste momento Michael estava no auge de sua popularidade. Eu acho que ninguém acreditava que era ele, todo mundo se levantou e deixou o teatro muito normal. Depois do espetáculo, fomos para um público menor e cerca de 10 pessoas se encontravam em torno, falando com Michael. Uma das meninas do nosso grupo estava grávida (na verdade, a mais ousada), e quando Michael perguntou como ela estava, pediu-lhe para esfregar a barriga, e ele fez! Despediu-se dizendo: "Eu espero que saiam dançando!" . Quando saímos do teatro, câmeras por toda parte. Embora tínhamos sentimentos diferentes sobre Jackson agora, ainda é um dos momentos mais memoráveis que tivemos na Disneylândia".

Uma das coisa que Lucas aprendeu com a experiência foi que provavelmente deveria fazer estes tipos de projetos por conta própria. Para montar uma equipe fizeram ofertas muito atraente para alguns trabalhadores Imagineers. Contudo, a maioria deles não podiam aceitar a oferta, porque Frank Wells, recentemente havia instituído a prática de assinar contratos para os membros da equipe da Disney, que impedia sair do mesmo por tempo indeterminado.

Claro, os trabalhadores Imagineers aprenderam que não basta apenas um script, um simples storyboard e um orçamento estimado. Mas também um bom storyboard que mostrara como seriam os efeitos de diferentes perspectivas, para evitar problemas mais tarde.

Essa experiência foi aplicada para a criação de Muppet Vision 3-D. Certamente Muppet Vision 3-D tem sido uma fonte de inspiração para outros projetos semelhantes que têm se desenvolvido ao longo dos anos, enquanto EO tornou-se uma anedota trivial.

Algumas memórias de Rusty Lemorande, produtor do Captain EO:

''O segredo para trabalhar com Michael é pensar: Como lidar com uma criança de 10 anos?''

"Francis entendeu rápido. Em um momento, achei difícil dirigir Michael, porque parecia não responder ao tipo de diálogo que um cineasta usa geralmente. Assim que pediu máscaras, com motivos feliz, de palhaços e máscaras assustadoras também. Em seguida, ele colocava essas máscaras para ver se surgiam efeitos neste menino, e realmente fazia.''

Making of:







Fonte: http://mjneverland.ptforuns.com/viewtopic.php?f=15&t=837

Nenhum comentário:

Postar um comentário